CS Ecoturismo

Pesquisar:

Próximos eventos:




(Sábado) - das às

Veja a nossa agenda para obter a listagem completa

Receba nossos informes:

Nome:

E-mail:

Trekking

Informações sobre o trekking

Avalie:
Seja o primeiro a avaliar!
0
0
Compartilhe:

Selecione o estado:


Goiás

Minas Gerais

Rio de Janeiro

Santa Catarina

São Paulo

Confira a programação para esta modalidade

Uma trilha curta e fácil que possui um bonito visual em seu topo. Estas qualidades fazem da Pedra Bonita uma das trilhas mais visitadas da cidade.
(Sábado) - das às
Evento esportivo - inscrições livres
Rio de Janeiro
Pés à trilha
R$ 20,00
01- Fazendo a inscrição para três ou mais pessoas você ganha um desconto de 15% no valor total.
02- Programa de fidelidade Pés à trilha, a cada três trilhas pagas, a quarta será gratuita.

* Desistências ou cancelamentos de reservas devem ser feitos com pelo menos três dias de antecedência, passando esse prazo não será possível devolver o valor pago, pois não haverá tempo hábil para preenchimento da vaga por outra pessoa.

** Em caso de não comparecimento ou atraso não será possível devolver o valor pago, pois não haverá tempo hábil para preenchimento da vaga por outra pessoa.

*** Em caso de mau tempo a trilha poderá ser adiada até um dia antes da data marcada, e será reagendada para outra data, nesse caso quem quiser desistir será reembolsado.
*** Procure informar-se sempre sobre os procedimentos de segurança, assim como a qualificação da equipe. ***

» Aspectos gerais

O trekking consiste-se, basicamente, na atividade de caminhar em ambientes naturais por meio de trilhas. Por sua característica singular, o trekking é a atividade eco-esportiva que mais cresce atualmente. Alguns fatores podem explicar esse fenômeno, como:

  • Pode ser praticado por todas as faixas etárias. Ultimamente, a participação do público da terceira idade praticando trekking tem crescido em uma velocidade significativa;
  • Baixo custo para a prática, comparado à outras atividades;
  • Integração com outras atividades eco-esportivas. Em geral, pode-se utilizar o trekking como uma atividade que pode ser executada em conjunto com outras atividades eco-esportivas. Como por exemplo: a realização de um trekking, que ao final poderá ser realizado um rapel em uma rocha;
  • Segurança das atividades, quando praticadas de acordo com o respeito à todas as normas de segurança de cada trilha e as normas de segurança do esporte;
  • Globalização da atividade. Praticamente, em quase todos os lugares do mundo é possível praticar a atividade. Inclusive, muitas vezes, sem precisar se afastar muitos das zonas urbanas;
  • Diversificação de objetivos. O trekking pode ser utilizado para diversos objetivos: lazer, esporte, integração social, treinamento profissional são algumas das finalidades que o trekking possui;
  • Variedades de roteiros e níveis de dificuldades. Por ser uma atividade que depende muito do meio encontramos diversos níveis de dificuldades para uma trilha – inclusive a variação de dificuldade para uma mesma trilha durante o decorrer do ano em virtude de fatores climáticos ou outros fatores ambientais -, permitindo que praticantes com diversos níveis de experiência possam encontrar no trekking o desafio esperado de acordo com as suas habilidades;

Os tipos de trekking podem variar de regiões, de países ou até mesmo de instituições diferentes. Com isto, poderemos ver a mesma atividade ser chamada de trekking, caminhada, hiking…. A CS adotou o termo trekking para todas as atividades de caminhada ecológica, afim de evitar quaisquer confusão para pessoas que não conhecem a modalidade.

Estas variações levam em consideração fatores, que vão desde a duração das atividades (que considera o tempo mínimo para a realização da atividade – que podem considerar trekking como atividade que dure um período mínimo de 1 hora ou de até mesmo de 1 dia – até o tempo estimado para a conclusão da atividade), percurso percorrido (a medida da distância percorrida da aventura considerando, inclusive, os desníveis da trilha) e/ou o nível de dificuldade (que é classificado de acordo com um condicionamento físico ‘padrão’).

Porém, vale ressaltar que, independente do tipo e da forma de classificação, o verdadeiro objetivo que o ‘trekker’ deve levar em consideração é aproveitar o contato com o ambiente natural na qual ele estará inserido.

» As práticas esportivas

A prática de trekking também possui categorias esportivas próprias.
Destacamos a atividade de Trekking (ou caminhada) de regularidade, onde quem ganha são as equipes que conseguirem chegar unidas com precisão ao final do percurso no período de tempo especificado pela organização. Nesta categoria, os participantes devem ter total controle não somente do percurso na qual está sendo percorrido como também do tempo, pois chegar adiantando também resulta na perda de pontos. Atualmente, existem dezenas de instituições dedicadas à prática da atividade no país.

Temos também a prática do Trekking de velocidade, onde ganha os participantes/equipes que percorrerem o caminho no menor tempo possível. Para isto, dispõe de equipamentos como bússolas e cartas de navegação (com itens variantes de acordo com cada competição). Esta modalidade é umas das modalidades existentes nas Corridas de aventura.

» Dicas gerais

Como toda prática esportiva, devemos tomar alguns cuidados para garantir tanto a segurança da atividade quanto para evitar os danos ao meio ambiente. As exigências para cada trilha podem variar de local para local, porém, algumas características de segurança e comportamento devem ser notadas. Além disso, uma ação básica deve ser tomada por todos que irão tomar a atitude de participar da trilha, principalmente por parte pelo responsável pela condução do grupo, quando este existir: o planejamento.

Torna-se de vital importância para o sucesso do trekking que haja um planejamento prévio de todos os riscos e objetivos a serem alcançados pela atividade, por mais simples que a trilha possa parecer. Neste planejamento deveremos prever todas as ações necessárias que serão tomadas em caso de imprevistos, como também a análise de todo o material (tanto individual quanto de grupo) que será necessário para executar a atividade. Inclui-se no planejamento a comunicação para a administração dos parques (ou para algum pessoa próxima) sobre o roteiro a ser empregado e também o horário para a previsão de volta da atividade.

Outros detalhes que devemos ficar atentos é em relação à hidratação, alimentação, vestuário e também com o controle do tempo (tanto o meteorológico quanto o cronológico).

Uma coisa que não pode ser negligenciada é o conhecimento da trilha. Torna-se necessário que, pelo menos, 1 dos participantes conheça bem o caminho a ser percorrido. Caso ninguém possua tal conhecimento, torna-se necessário a contratação de um guia especializado para conduzir o grupo. Embora seja uma solução que aumente o custo da atividade, esta é uma ação de extrema importância que visa garantir a segurança contra eventuais imprevistos e falhas de planejamento decorrentes do desconhecimento do trajeto.

Para os iniciantes, recomenda-se iniciar a prática do trekking pelas trilhas mais fáceis e freqüentadas, para que cada um possa conhecer os seus limites físicos e também as capacidades técnicas de cada um.

Em relação à alimentação e hidratação, é importante afirmar: “Leve sempre alimentos e, principalmente, água em quantidade acima do previsto para o consumo pelo período normal de percurso da trilha”.

» Consciência ambiental

Para praticar o trekking, não basta apenas entrar e percorrer uma trilha. A prática do trekking inclui deveres e responsabilidades de seus praticantes com o meio ambiente na qual o praticante está inserido no momento.
Justamente tendo esta preocupação, o Ministério do Meio Ambiente, lançou a campanha Conduta consciente em ambientes naturais, que lança 8 princípios básicos de conduta que devemos ter ao entrar em contato com os ambientes naturais. Eis os princípios:

  1. Planejar antecipadamente a atividade;
  2. Fazer a análise de riscos e saber aplicar técnicas de segurança e salvamento;
  3. Cuidar dos locais por onde passa, como trilhas e áreas de acampamento;
  4. Trazer de volta o seu lixo;
  5. Não retirar nada dos ambientes naturais;
  6. Cuidado ao manipular o fogo;
  7. Respeitar os animais e as plantas;
  8. Ser cortês com a população local e com outros visitantes;

Para conhecer por detalhes todos os princípios e também sobre o projeto, visite:

http://www.mma.gov.br/port/sbf/dap/ -> Conheça mais sobre o projeto

http://www.mma.gov.br/img/sbf/dap/flash/natura3.swf -> Conheça mais sobre os princípios

» Conclusões finais

Prestando atenção nestes detalhes que, na prática, não são difíceis de serem aplicados, estamos abrindo um passo importante para a execução segura e consciente do trekking e podermos desfrutar com tranquilidade tudo que o esporte pode proporcionar-nos!

Boa trilha!

Preencha o formulário abaixo para entrar em contato conosco:

Nome:

E-mail:

OU



caracteres restantes 

Seu comentário foi enviado com êxito!

Seu contato foi enviado com êxito!

Complete o seu cadastro, para acessar todos os recursos do site:





(dd/mm/aaaa)
min. 5 caracteres (letras números _ . - )